quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Saudade

Texto de Renato Cardoso.
Colaboração: Silvério Reis


Hoje venho falar da saudade.
Da saudade que sinto de um amor que um dia vivi, e que por vezes me ponho a sonhar.
Da saudade de um rosto que até então guardo na memória. Saudade de alguém especial, que com o amor completa o sentido da minha vida.  Saudade daquele olhar a me observar, me destinando centenas ondas de amor puro e verdadeiro. Saudade daquele beijo a me acarinhar, me tranqüilizando nos meus momentos mais difíceis. Saudade daqueles abraços, daquelas palavras.
Saudade, simplesmente saudade. 
Saudade de quem a vida separou.
Saudade de quem carrego no coração.
Saudade de um rosto que aos poucos vai se montando em minha memória.
Saudade daquela que amei e que muito amo.
Saudade, gosto de nostalgia misturando com o doce fascínio do amor inesquecível. Mas junto a saudade vem a certeza de que um dia, mas breve possível, essa saudade não passará de uma simples lembrança. Lembrança da saudade que um dia tive. Pois a partir deste dia aquela a quem tanto amei e amo estará ao meu lado novamente. 
Ah, se ela soubesse o quanto sinto sua falta e o quanto necessito deste reencontro. Mas a vida tratou de deixar o caminho da volta marcado. Deixou o meu semblante a face da saudade. Portanto será fácil me encontrar, serei justamente aquele que no mundo mais sente e chora por saudade. Serei aquele que reza todos os dias pela sua volta. 
Pois só a partir de então deixaria a saudade no esquecimento e passaria, realmente, a viver um lindo sonho que um dia a vida interrompeu, porém não terminou. Separou para fortalecer. Quando o reencontro acontecer, do meu rosto a saudade irá embora e a felicidade nele voltará a reinar, pois finalmente minha vida estará completa e então daríamos continuidade a uma vida, há tempos iniciada, com paz, amor, harmonia e, principalmente, união; união divina.

6 comentários:

หคтнყ disse...

É... eu também sinto saudades.

Gostei.

Bjo Sil.

The Well disse...

Saudade é, na verdade, uma dor gostosa, pois nos lembra de quem amamos. Como dira Isolda, pela boca do Rei: você é a saudade que eu gosto de ter...

Paulo Tamburro disse...

OLÁ SILVANA

SOU SEU MAIS NOVO SEGUIDOR.

DEIXO-LHE A CHAVE QUE ABRIRÁ TODAS AS PORTAS EM 2011.

TENHO CERTEZA.

ESTOU CONVIDANDO VOCÊ, PARA CONHECER MEU BLOG DE HUMOR:

"HUMOR EM TEXTO".

A CRÔNICA DESTA SEMANA É:

"AH, MULHERES DE SAIA"

VENHA CONFERIR E DEIXAR SEU COMENTÁRIO,POIS FICARIA MUITO ORGULHOSO SE CONSEGUISSE, TER VOCÊ , NO MEU BLOG.

UM ABRAÇÃO CARIOCA.

Silene Neves disse...

Oi Sil!

Querida Amiga...

Belíssima postagem! A saudade é sempre um bom tema para poesias e textos como esse!

Postei algo "Carta de Janeiro... Pra quem voltar." Se vc puder ler... trata-se de um fato real em minha vida e tem toda essa essência desse belo texto que vc postou.

Deixo meus doces beijos e carinhos efetuosos pra ti!

Sil

Ps: Gosto da afinidade que nossas postagens possuem.

Suzana Martins disse...

Ahh, saudade...

Não sei nem o que escrever, apenas saudades....

Beijos linda!!^^

Tatiana Kielberman disse...

Querida Sil,

Acredito que a saudade seja um dos sentimentos mais ambíguos que existem!! Ao mesmo tempo em que machuca, também conforta... ilumina e traz ternura...

É único e seu nome só existe em português!!!

Beijos, amada!