sexta-feira, 8 de abril de 2011

A FÁBULA DOS DOIS BICUDOS













Autor: João Maria Ludugero


Bem-te-vi
Sábio
Cantou
No galho
Do umbuzeiro.
Sabiá
Do outro lado,
Distraído
Com os doces frutos,
Achou que era pra ele
O  bendito encanto
Do bem-te-vizinho.
E, apesar das diferenças,
Resolveram a contento
Juntar o canto que abunda.
Decidiram montar ninho
E logo se acasalaram.
Pouco tempo depois,
Adotaram uma corujinha.
E pra moral da história:
Engana-se quem prediz o conceito
De que dois bicudos não se beijam.

5 comentários:

coisasdelouco disse...

ahhhhhhh Sil!!!

Como pode obter e descrever tão bela metáfora? Adoro metafóras!!!

E sou menina do mato, criada em sítio, passei a infância a ouvir e ver belos pássaros a voar e livres a cantar...

Além de tão atual paralelismo com o real; e tão pertinente... tão sensível...
Me destes de presentes o cheiro e encantos da infância...

Mas, não perdi o foco não!

Dois bicudos se beijam sim, se encantam sim, se amam sim, constróem famílias sim... E têm todo o direito de como qualquer um ser também felizes!!!

Parabéns lindona por toda esta senisbilidade, perspicácia e talento!

beijocas-arco-íris

coisasdelouco disse...

ERRATA: hahahahhah

É claro e evidente que sou louca, e adoro a Sil...

Tudo o que disse no post anterior cabe certinho a ela... Mas, neste caso é mérito de JOÃO LUDUGERO: perdão... Fiquei tão fascinada com o texto e a poesia que dele transbordava que nem li quem o assinava..

Parabéns poeta João!!! Emocionou-me de verdade...

Beijocas-alucinadas rs

Tatiana Kielberman disse...

Adorei o poema, João!!

Dois bicudos não se beijam... mas nada os impede de flertar, né?

SHOW!

Beijos!

Francy´s Oliva disse...

O que menos atrapalha é o bico.
bjs bom final de semana

The Well disse...

Gostei da inversão final.
Bela fábula!

Abs!