terça-feira, 5 de abril de 2011

A pianista

Autor: Paulo Diesel



Um piano, muitas notas, o som.
Não me canso de ouvir. Ela toca divinamente e fala com Bach de uma forma que excita os que a estão observando tocar.
Concerto ao ar livre.
Sons misturados: pássaros, buzinas, carros em disparada, conversas e o piano.
Ela não se abala, concentrada, passeia pelo teclado e brinca e toca e incorpora a personagem que baila no gramado espetado no meio dos arranha-céus.
A pianista toca. A música acaba. O público se vai. Eu fico sentado, em transe, olhando o piano e sentindo o som que a pianista tocou. Ela levanta, desfila até a saída e deixa a partitura, autografada, cair.
O som, o piano, a partitura.
A pianista que se foi e, nada mais...

9 comentários:

Sandra Cajado disse...

O piano no meio do restaturante nas mãos de um artista anônimo.

Quem seria o(a) protagonista da noite?

Qual vítima se depararia com a afronta das notas musicais?

Causando devaneios e saudades...

Doce afronta...

Doce saudade.

Parabéns, Paulo!

Um abraço.

Sil Villas-Boas disse...

Belo poema Paulo.

Antevejo até a dama a tocar piano.
tua sensibilidade é incrível
Bjusss
Sil

RosaMaria disse...

Tocou minha alma, lampejos de emoção e de saudades.

Beijos Sil
Beijos Paulo

Bom dia!

Elisabete disse...

Seu Blog é muito interessante....parabéns..

te seguindo...tenha um lindo dia.

siga meus blogs: http://cartasdeumcoracao.blogspot.com/ e http://deusemminhaalma.blogspot.com/

☆Anjo☆ disse...

Oi! O blog é simplesmente maravilhoso, o poema é lindo! Estarei sempre por aqui prestigiando o seu jardim... Seguindo!
Passa no meu pra conhecer:www.diarios-do-anjo.blogspot.com
Um ótimo início de semana pra ti, beijinhos, bye

The Well disse...

Play it again...!

LS > Leve e Sutil.

Abs!!

Fernanda disse...

...e uma partitura arde nas mãos que a recolhem do chão. E a história não acaba aqui.

Jão disse...

A Pianista se Foi
deixeiou-me encatando
estarrecido
desfigurado
a música penetro minh'alma
e fez dela brisa leve


Belo texto meu caro,

Abraços!

Tatiana Kielberman disse...

Lindo, leve e suave!!

Muito bom, Paulo!

Um beijo grande pra você!