terça-feira, 23 de setembro de 2014

VARZEAMORES, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
VARZEAMORES, por João Maria Ludugero

Por mim, e por Várzea, e por mais acordesQue estão onde as outras searas nunca estão,Deixo o interior e o céu tranqüilos ao Vapor de Zuquinha.
Assim sendo, quero varzeamar a correr dentro.

Meu caminho é feito de Ariscos e Seixos.E como a Forma conheces? - me perguntarão.- Eu tenho palavras e amor tecido em imagens.Bastantes amigos e muitos irmãos varzeanos.
Que procuro? - Tudo. Que almejo? - Várzea.

Viajo feito sanhaço só com o meu coração dentro e alto,Inteirando-me ao contemplar o que mais me completa.Não ando perdido, mas ao encontro do bem-te-vizinho.Levo o meu destino na minha mão tão bem apanhada.A memória não voou da minha cabeça de poeta acesoFora das coivaras que detonam o cenário, sou Fênix.

Não tenho medo da cuca, mas chego até a assanharOs pelos da venta ao esvoaçar meu amor tecido, minha imaginação...De certo, eu sigo espairecido antes do alaranjado lusco-fusco expostoDa tarde amena que me nina além do horizonte de São Pedro Apóstolo.
História, amor e o resto onde estarão com afinco?

Deixo aqui meu corpo, entre o sol e a Várzea das Acácias(Feito astuto colibri beijo-te, sonho meu, todo acordado em flor!Animado estandarte contente de uma valiosa berma...)Quero Varzeamar, sem a necessidade de ser cabotino.


Nenhum comentário: