terça-feira, 31 de agosto de 2010

Gosto quando te calas


Gosto quando te calas porque estás como ausente, e me ouves de longe, minha voz não te toca.
Parece que os olhos tivessem de ti voado e parece que um beijo te fechara a boca.
Como todas as coisas estão cheias da minha alma emerge das coisas, cheia da minha alma.
Borboleta de sonho, pareces com minha alma, e te pareces com a palavra melancolia.

Gosto de ti quando calas e estás como distante.
E estás como que te queixando, borboleta em arrulho.
E me ouves de longe, e a minha voz não te alcança
Deixa-me que me cale com o silêncio teu.

Deixa-me que te fale também com o teu silêncio
claro como uma lâmpada, simples como um anel.
És como a noite, calada e constelada.
Teu silêncio é de estrela, tão longínquo e singelo.
Gosto de ti quando calas porque estás como ausente.
Distante e doloroso como se tivesses morrido.
Uma palavra então, um sorriso bastam.
E eu estou alegre, alegre de que não seja verdade.

Pablo Neruda

Homens Maduros


Escolha com carinho e com cuidado
as sementes que pretendes plantar
no jardim de teu coração.


Escolha com cuidado as flores
que enfeitarão o teu caminho.

Escolha com atenção
as plantas que te darão sombra e alimento.
Da tua sementeira de hoje
dependerá o sucesso dos frutos.

Do zelo na escolha das tuas sementes
dependerá a alegria da colheita farta.
Do cuidado com a plantação
dependerá a tua felicidade.

Colaboração – Silvério Reis