quarta-feira, 17 de setembro de 2014

O JARDIM DA BEM-TE-KIRO, Autor: João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O JARDIM DA BEM-TE-KIRO,

Autor: João Maria Ludugero

No jardim da bem-te-Kiro
Há um canteiro de jasmim-manga
Que espalha imenso perfume
Pelos ares do bem-te-vizinho.

Lá quero me sentar na tarde amena
Me inventar astuto e mais animado,
Só de ouvir o sininho da musa,
Desentristecer de uma vez por todas,
Capturar o vento
Sem medo da cuca,
Assanhando até os pelos da venta.

As nuvens pousam nas folhas verdes
E vejo a vida passar a correr dentro e alto,
Além do horizonte aberto da Nova Canaã.

UMA CANÇÃO COM ESSÊNCIA KIRO-LUMINOSA, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
UMA CANÇÃO COM ESSÊNCIA KIRO-LUMINOSA,
por João Maria Ludugero

Gosto de estar a teu lado, inteiro,
Mesmo distante, mas Kirolescado.
Tua presença é uma alma de flor,
Depois de tantos sóis,
Depois de tantas luas,
De bela iridescência e de um elenco
Ecoando azuis profundos na lida...

Eu me pego bem apanhado a contemplar,
A correr dentro e alto da liberdade em ti.
Anoiteço feito um eufórico bem-te-vizinho,
Alvoreço colibri encantado na cantiga da Kiro.

Estamos no interior duma possante asa
Que não se fecha na vastidão do lume,
Mas se completa astuta, arteira e medonha
Ao amortecer as dores num poema em perfume.