quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

ALADO POETA LUDUGERO, por João Maria Ludugero


ALADO POETA LUDUGERO,
por João Maria Ludugero.


Somos pássaros atentos
mais com asas pro interior;
nossa terra está avoante
onde de soslaio estamos:
nesta seara de sonhos
se as trilhas de acordes,
nós pagamos;
nesta ala ou no alpendre
de encontro à praça;
nosso lugar é bem maior
do que o alcance das asas além
de um astuto beija-flor medonho!

DE BEM COM A VIDA, por João Maria Ludugero

João Maria Ludugero - Mergulho
DE BEM COM A VIDA,
por João Maria Ludugero. 

O azul tremia imerso num enorme chão reverdecido. 
Absoluto, deixou-me aos aromas a caminhar adiante, 
Feito vento que chega e alarga seu olhar de uma vez só 
e sem esforço solta-se neste inenarrável paraíso... 
Arrasta as ideias, o pensamento, para na tua frente 
Com o mundo a correr dentro apertado no peito... 
Arruma o cabelo da mesma forma que crava os olhos no céu. 
Primeiro seu rosto, o contorno da boca e depois a linha
Do horizonte mais definida a cada instante com devastadora clareza. 
Meu olhar dura mais que o poente acima da sua pele,
Liquefazendo as palavras sem perder o equilíbrio, 
O sorriso corre nos lábios como um marinheiro de pelo na venta
Em terra firme, revirando as paredes do completo bem-estar, 
Fazendo malabarismos no colo à exaustão de bem-viver, 
Sutilmente beija a minha nuca, descansa os abismos,
Afasta o medo da cuca maluca, atira os olhos destemidos 
Em sua presença espairecendo completamente a lida
Ao folhear uma página da vida repleta de amores, 
Repassando seus sabores de uma folha para as outras,
Amparando o coração com o fosforescer da alma inteira.