sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

DENTRE PERDAS E GANHOS, por João Maria Ludugero

 
DENTRE PERDAS E GANHOS,
por João Maria Ludugero.

E a vida é mesmo assim, no cubar da lida:
Com as perdas, só há um jeito: perdê-las. 
Com os ganhos, o proveito é degustar cada um 
Como uma boa fruta de propícia estação.
Aprendi com minhas perdas
Que a solidão, nem sempre é dor.
Às vezes, ela pode ser
Um ótimo remédio:
Daí é que a gente acaba se achando
No desafio do labirinto!

VÁRZEA-RN, CIDADE DA CULTURA: - LEMBRANÇAS DE UM TEMPO QUE SE FOI AO PRESENTE PASSADO A LIMPO, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
VÁRZEA-RN, CIDADE DA CULTURA:
- LEMBRANÇAS DE UM TEMPO QUE SE FOI
AO PRESENTE PASSADO A LIMPO,
por João Maria Ludugero

Várzea das Acácias,
De ontem e de hoje
De pessoas e nomes queridos:
Dona Onélia de Raimundo Rosa,
Dona Júlia de Seu Lula,
De Otávio Gomes e dona Marica,
De Seu Minor e dona Marina,
De Silva Florêncio e Rosilda,
Da Professora Gabriela Pontes,
De Adalberto e dona Palmira,
De Olival e dona Penha,
De Zilda Roriz de Oliveira,
De Arnor e Albanita,
De Ana Moita
De Santina de Ocino,
De Antonio Duaca
De Antonio Coelho,
De Alice de Neco Roco
De Ximbimba, de Bidu,
De Craúna
De Mãe Claudina,
De Nanuca de Palito,
De Dezilda Anacleto,
De Fátima Belo,
De Nena, Nina, Nuca
De Nezinho de dona Suli,
De Bena de Virgílio Bento,
De Picica de Cícero Paulino,
De dona Beatriz Belo,
De Maria Moroca,
De Maria Marica,
De Inês Rosa,
De Suetônio de Zidora,
De Maria Orlanda de Seu Nestor,
De Terezinha Bento,
De Conceição Dama,
De Zé Pifânio,
De Gracinha de Zé Baixinho
De dona Maria de Seu Odilon Ludugero
De Oneide Maurício de Queiroz...etc

Mas
Também
Várzea
Dos Caicos,
Dos Zecas,
Dos Jocas,
Dos Manés,
Dos Dedés,
Dos Quincas,
De dona Sinhá,
Da rezadeira Dalila, minha avó,
De Tia Joana Isabel,
De Lucila de Preta,
De Suzéu e Maria Gomes...

Várzea do Vapor de Zuquinha,
De todos as cantigas
De dona Wilma Anacleto
De Dezilda Mulato
De Seu Bita,
De Seu Tida,
De tanto calor.
Várzea de nossas vidas,
Singela e bonita seara
Do açude do Calango,
Do atraente Umbu
Do Itapacurá
De Dona Julieta Alves,
De Tio João Pequeno,
Dos cajás, dos cajus,
Do Maracujá de Melizinha
De Wandick Lopes
Do Riacho do Mel
De Pasqualino Gomes Teixeira,
Com todos os santos
Pela intermédio de São Pedro Apóstolo,
De sentinela no topo da igreja do padroeiro.
Várzea sempre enamorada
Seara bendita
De Ângelo Bezerra...

Várzea de todos os rostos,
Sabores
E gostos:
Das tapiocas,
Das macaxeiras,
Do feijão-verde,
Do queijo-de-coalho
Das coalhadas
Das favas,
Do cuscuz de milho zarolho,
Das farofas e das soldas
De dona Carmozina,
Da manteiga-de-garrafa
Das rapaduras
Dos puxa-puxas
Dos quebra-queixos
Das passarinhas
Das tripas assadas
Dos torresmos
Da mangaba,
Do jenipapo
Da pitomba,
Da goiaba,
Da manga
Do cajá
Do caju
Da jaca,
Do umbu
Do doce de leite e de coco.
Do caldo-de-cana-caiana de Biga
Ou da espremida 'curimbatória'
Da pinga da bodega de Zé Anjo
Do pitéu das regalias, brotes e bolachões
Da Padaria de Seu Nenê Plácido Tomaz de Lima.

É por esse jeito
Com essas virtudes e defeitos
É a Várzea que amamos
A ti, Várzea das Acácias,
Das muitas dores
Dos muitos lugares e tons
Dos muitos gostos,
Dos Nossos rostos
De muitas ávidas cores...
Várzea dos muitos sabores
De múltiplos valores,
De tantas cantigas
E dos muitos amores!