terça-feira, 4 de dezembro de 2012

O INTERIOR DO SONHO: A VÁRZEA QUE VIVE EM MIM, por João Maria Ludugero

Um sonho que me extasia
E me renova esperanças,
É ver Várzea ganhar o mundo 
Pela mão da minha poesia. 
Confesso: tenho toda confiança 
Antes do avançar da idade, 
De ver, nas mãos das crianças, 
Esse interior crescer com elas, 
Afoitas a alavancar 
Notória e feliz cidade. 
O meu EU sofreu mudanças, 
Uma mudança sem fim. 
Só não mudou 
O menino varzeano 
Que eu fui 
E que vive assim, 
Que corre 
Livre, 
Leve, 
Solto, 
Arteiro,
Teimoso e 
Medonho 
Se imensa 
Em mim!