segunda-feira, 29 de setembro de 2014

VARZEAMANDO-SE A GENTE CHEGA AO INTERIOR, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


VARZEAMANDO-SE A GENTE CHEGA AO INTERIOR,
por João Maria Ludugero



É que em todo o interior,
Mesmo de sentinela em esperança nova,
Há um vão a correr dentro e alto.
Longe ou perto há uma cancela,
Não somos donos da porta aberta,
Mas simples convidados a entrar,
A desapear sem nenhum medo da cuca...




A Várzea, por respeito, só requer licença.

VÁRZEA-RN: SOB O LUAR DO AGRESTE, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
VÁRZEA-RN: SOB O LUAR DO AGRESTE,
por João Maria Ludugero

Ao trote
Do azulão,
Na estrada
Dos Seixos,
que bom!

Anoitece.
Ao longe,
No vasto
Horizonte
Da Várzea das Acácias,
O pasto do Vapor
Do lajedo verde-musgo
Até ao Itapacurá de Julieta Alves,
Parece-me seguir um terno recordar
Suspenso
Das nuvens esfiapadas
Ao riacho do Mel...

Seca
Do estio,
A estrada
Me eleva,
Renova
A esperança
Da boa safra
Na estação da chuva:
Café em coador de pano,
Puro ou com mistura;
Grude, tapioca na palha
De bananeira;
Do corredor à cozinha,
Tições que chamejam;
Na sala-de-estar em silêncio,
A rede de algodão
Que range solene.

Ao trote
Do azulão,
Que doce
Lembrança
O rosto
de Fátima Belo,
Moça varzeana
Que morava
Pelas quatro bocas
Da rua Grande!

Lembranças atinentes,
Serão bundas entisnadas
De vaga-lumes?
Na penumbra
Da noite que chega,
Na calçada da vizinha
De Maria de Franco,
A dona Suli, ainda está lá
A temperar seus bifes e passarinhas,
Além das farofas de manteiga-de-garrafa,
Torresmos e ovos estrelados na banha,
Bem do jeitinho que seu Nezinho gostava...

No banco de Nina
De madrinha Joaninha Mulato,
Sentado, na espreguiçadeira,
Um magote de gente astuta
Abre uma roda de conversa.
São tantos olhos arregalados
Que espiam perdidos
Pelo chão-de-dentro,
Na moita do jasmim-manga em flor
Da Escola Dom Joaquim de Almeida.

Serão
Vaga-lumes,
De súbito
A acender a bunda disposta além
De uma coivara laranja ao lusco-fusco,
Desde o açude do Calango?

Agora,
No vasto
Horizonte
Do Vapor de Zuquinha,
Do rio Joca da Várzea das Acácias,
Da lenda da mulher que chora-va,
Agora abunda o silêncio, amiúde...

Ao longe,
Na beira
Do caminho,
O menino João maduro
Esperando.
A lua encarnada
Por cima
Da Várzea
Começa
A apontar suas pratas...

Por que
Tarda tanto
O desapear
Do cavalo
Na estrada
Da Nova Esperança


Ao sítio de Zé Canindé?
Disse, sem alarido,
Que passava
Na boca
Da noite...

Café coado na hora,
Com tapioca, beiju, cuscuz,
Calor do fogão-de-lenha
E mansa ternura,
Que noite
Bonita na seara bendita
De Ângelo Bezerra...

Só pra recordar afoito
Ao pé do jirau de alguidares
Da inesquecível Zidora Paulino,
A fazer seus flandres de raivas,
Sequilhos, brotes de carrapichos,
Regalias em Bolos-pretos, paçocas,
Puxa-puxas, cocadas e quebra-queixos,
Com a lua de São Jorge 
Disposta pelas margens do rio Joca.

Por cima
Da Várzea de Maria Maroca,
Na rede que rangia,
Quem bem podia esperar
A saída do cuscuz de milho-zarolho
Da professora Marica de Otávio Gomes?

Porém,
Na cozinha
O fogo apagou.
A lua vai alta.
Na rede quieta,
A Zidora varzeana,
A Carmozina das soldas,
A viajada Maria de Franco,
A ilustre Zilda Roriz de Oliveira,
Seu Plácido 'Nenê Tomaz' de Lima,
O homem do valioso 'pitéu' e das regalias...
Adormeceram, num breve adeus.
Mas sozinhos não se foram embora...

Era madrugadinha,
Mas sob a luminosidade
Da radiante estrela Dalva,
Minha Mãe Maria também foi à seara divina
Reencontrar a amiga Zidora e minha avó Dalila,
Fazedoras de tantas e tantas alegrias, vertentes de Fé
pela Várzea de Mateus Joca Chico e de Joaquim Rosendo.
E até Suetônio não demorou muito e se foi ao encontro delas...
E até Aldenira acabou de se ir encontrar com Dedé 
Só para conversar com essa gente grande no andar de cima!