terça-feira, 19 de abril de 2011

Comemorações

Hoje comemoro duas data especiais:
O primeiro ano do meu Blog

E
O aniversário da Tatiana Kielberman  

Feliz Aniversário Tati
Estrelinha

Que você brilhe infinitamente pra mim através da nossa amizade.
Bjusss
Sil

A cadeira vazia

Por: Paulo Diesel 



Se a cadeira estava parada no canto da sala vazia era por algum motivo. Só ela, mais nada. Nada ao redor, nem mesa, nem estofado, nem estante, nem tapete, aó ela, a cadeira em frente a janela aberta, como que a imaginar o movimento das folhas da jabuticabeira lá fora, o cachorro que corre atrás da bola jogada pelo Pedrinho, a colheitadeira mais ao longe, conduzida pelo João, no milharal, o trem movido a vapor que apitava bem distante e se arrastava morro acima sobre os trilhos da ferrovia, as nuvens escuras que anunciavam o cair da tarde. A cadeira vazia que permanecia imóvel naquela sala sentia-se solitária, pois a pouco a casa era repleta de móveis, de pessoas, de sons que misturavam-se e completavam-se. A cadeira testemunhou muitos diálogos, muitas negociações, muitas brigas e reconciliações e brigas e reconciliações e brigas definitivas. Talvez tenha sido este o motivo: testemunha ocular, abrigo de um e de outro, ombro amigo no choro do desespero, da indignação, da esperança e da separação total. Primeiro foi-se o João naquele Opala Comodoro preto em que de longe ouvia-se o uivar do cão e via-se o olhar tristonho de quem percebeu toda a situação, depois ela, levando consigo Pedrinho, o pen drive com as músicas e fotos de toda história e os CD’s dos Beatles que sempre escutavam. A casa por meses ficou fechada, sem sons, sem gritos de crianças, sem cão correndo, sem pessoas. No jardim as flores que ela cuidava morreram todas, talvez de solidão, talvez de saudades. No pomar as frutas caídas ao chão e os milhos colhidos pelo pessoal da Associação. Dia após dia via-se o abandono por todos os lados, até que o caminhão da transportadora carregou tudo: o quarto, os móveis da sala, as tv’s, o estofado, os vasos com flores, os quadros… A cadeira permanecia, ali, vazia e solitária, testemunha e cúmplice (sem culpa) de fatos e atos que, talvez, se repetirão assim que a propriedade rural for vendida e outros, homens, mulheres, crianças, vivenciem tudo novamente. Se a cadeira estava parada em frente a janela, no canto ou no meio da sala, deve ser por algum motivo.