sexta-feira, 1 de julho de 2011

Os desejos dela

Por: Rosamaria Roma


Ela não percebia.
Porque raio tinha de ser sempre ela a perceber.
Havia sempre uma razão.

Claro.
Todas as razões.
Menos ela.
Estranhamente
Só ela não era uma razão.

Nunca.
Só ela tinha de se adaptar.
Esperar.
Compreender.

E ela só via escuro.
Não deslindava as formas.
Não via os próprios passos.

Não havia sequer voz que a guiasse.
Pediam-lhe muito.
E ela?
Será que pedia muito?

Ela só queria algumas palavras.
Dizê-las apenas.
A voz nos teus ouvidos.

Nada de caracteres.
Nem fotos ou textos arranjados.

Queria a sinceridade do encontro de olhares.
A espontaneidade da presença física.

Queria ser compreendida
Queria ser amada
Queria...

O Silêncio e as Palavras
















O Silencio e as Palavras - Sidarta Reis


Há algumas coisas que são lindas demais para serem descritas por palavras.
É necessário admirá-las em silêncio para apreciá-las em toda a sua plenitude.
As grandes falas apenas servem, freqüentemente, para confundir ou doutrinar.


Às vezes, o silêncio é mais esclarecedor que um fluxo de palavras.
Olhe para uma mãe diante do seu filho no berço.


Ele consegue muito bem tudo o que quer sem dizer nenhuma palavra.
Na realidade, as palavras devem ser a embalagem dos pensamentos.


Não adianta fazer longos discursos para expressar os sentimentos de seu coração.
Basta um olhar e diz muito mais que um jorro de palavras.


Creio que, em sua grande sabedoria, a natureza nos deu apenas uma língua e dois ouvidos para escutarmos mais e falarmos menos.
Se as palavras não são mais bonitas do que o silêncio, então é preferível não dizer nada.


Quanto mais o coração é grande e generoso menos úteis são as palavras.
É necessário lembrar do provérbio dos filósofos:
as verdadeiras palavras não são sempre bonitas e as palavras bonitas nem sempre são verdades. As grandes mentes fazem com que, em poucas palavras, muitas coisas sejam ouvidas.


As mentes pequenas acham que têm, pelo contrário, a concessão para falar e não dizer nada.
Poucas palavras são necessárias para expressar “eu gosto de você.”
Portanto, todas as outras que poderiam ser ditas são supérfluas...
...e não são palavras curtas e fáceis de serem ditas.


São aquelas que causam as maiores conseqüências.
São necessários apenas dois anos para que o ser humano aprenda a falar e toda uma vida para que ele aprenda a ficar em silêncio.


Ser comedido com as palavras é uma prova de profunda sabedoria.
Saber ouvir também. As palavras podem ser um embaixador do amor ou da frustração


Pense nisso...


Sidarta

Sou apenas um caminhante...

Por: Sidarta Reis 



Sou apenas apenas um caminhante!


Que perdeu o medo de se perder...


Estou seguro de que sou imperfeito


E podem me chamar de louco...não me importo.


Podem zombar das minhas idéias também não importa!


O que importa é que sou um caminhante


Que vende sonho para os passantes


Não tenho bússola, mas sei a direção a tomar,


e tambem sei que tenho tudo de que preciso pra sonhar...


Tenho as palavras das quais sou escravo


...mas por vontade própria porque elas me libertam,


Através de viagens ao infinito do imaginário!


Sou apenas um caminhante que chora, ri e sente


À procura de mim mesmo...



Sidarta