quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Voz e sabor

Por: Sil Villas-Boas

“Os meus braços não são suficientes
para abraçar você
e a minha voz vai querer
dizer tanta coisa,
mas tanta coisa,
que eu vou ficar calada”.
Caio Fernando Abreu.


Fico calada. Mas fala em mim a voz do dia.
Ela pronuncia sentimentos e reescreve novas palavras.
Frases emudecidas se revertem em versos vivos e quentes.
Traduzimos agora os pensamentos, movimentos e sensações,
em pedacinhos infinitos de um querer a dois.

Reaparece a alma escondida nos muros acima de nós.
E ela nos acalenta. 
Traz sintonia de vibrações: vento, calor, chuva e lua.
Nossos sentidos dispersos voltam
e se espalhem pelo corpo antes dividido.
Deito-me infinita em suas asas abertas e soltas

E me solto no teu universo de sabores que completam meu paladar.