sábado, 17 de dezembro de 2011

RIO DE CONTENTAMENTO, por João Ludugero

Muitas vezes
eu tenho a impressão 

de que algumas alegrias
chegam como ondas de um rio 
que vêm de dentro,
que começam no coração,
brincam de sol e de lua,
causando bem-estar ao corpo,
sentido nos ossos 
e olhos e,
instantaneamente,
levando clarão para a boca,
brilho para o rosto todo,
com duração para o resto
da vida inteirinha.
E essas ondas vêm à superfície, à tona,
e se a lida mostra algum obstáculo,
o rio responde, transmuda, muda
flui para o alto, dentro e ao redor,
mesmo que não seja visto, de certo,
ele simplesmente nunca se esgota. 
Ora estou disposto 
e livre para entrar nesse rio,
consentir-me a remar 
a nau que me leva
a escancarar meu riso 
de contente!