quarta-feira, 10 de outubro de 2012

ENTRE AMORES E AMORAS, por João Maria Ludugero


Eu careço sentir 
a flor da pele desabrochar,
achar na tua boca o céu
ao lambuzar-me inteiro
no mel da tua boca;
preciso agradecer a Deus
por ter guardado em ti,
límpida e pura, cristalina,
aquela promessa antiga
de comermos juntos 
aquelas amoras futuras.