quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

JOGO DO SILÊNCIO


“As vezes você me pergunta por que é que sou tão calado......”  
Raul Seixas 

Acho engraçado o teu jeito de ser.
Calado.
Desconfiado.
Observador.
Feito um bichinho assustado 
Diante de um perigo e do desconhecido.  
Mas se por um lado, tua voz escolhe o silêncio, 
teu olhar faz o inverso.
Diante de mim, teu olhar me fala mil palavras.
Diz coisas que só tua mente conhece o teor.
Teu Olhar....

Percorre meu corpo.
Analisa minha boca.
Atravessa minha alma.
Me põe do avesso.

Rio, então
Também tento imitar esse teu jogo do silêncio
De só falar sentimentos através do olhar
Através da lente lépida e lasciva do olhar

E nesse jogo calado
Onde as palavras são desnecessárias
O silêncio é o nosso maior cúmplice.
Nosso maior aliado.