sábado, 26 de novembro de 2011

Olho gordo - Francisco Diniz

Tem muita gente que não acredita em olho gordo, mas podem acreditar ele existe.

Durante minha vida vi muita gente sofrendo da inveja dos pequenos de caráter e pobres de espírito. É a eterna luta do bem contra o mal e nada muda essa lei da natureza humana.

Esses dias um amigo foi vítima desse tal de olho gordo e até ele descobri que esse era motivo, o processo foi demorado e dolorido. Ele ficou adoentado por quase um mês e nada justificava a falta de forças e dores que sentia.

Até que um dia ele se lembrou que havia recebido em sua casa uma pessoa que em determinado momento o olhou com um olhar muito estranho, um olhar daqueles que só os que estão possuídos por forças maléficas possuem.

Numa conversa com esse amigo ele me citou o ocorrido e perguntou-me o que deveria fazer para quebrar esse olho gordo que fora vítima. Eu, que em certas ocasiões fui vítima do tal do olho gordo, recomendei ler na bíblia os salmos 23, 27 e 91 e orar com muita fé a Deus pedindo sua proteção para que quebrasse esse olho gordo, curando suas dores e aflições.

O resultado foi que depois que meu amigo fez o que orientei no outro dia já estava bem melhor. Dias depois, nem parecia que estivera se sentindo tão ruim.

Não existe força maior que o poder da oração e a fé em Deus, quem duvidar que experiente e veja o resultado. 

CHÃO DE DENTRO - João Ludugero

 O lavrador ara o solo
das mãos lança a semente
o sol aquece o vapor
que carrega a nuvem
cheia do céu,
a chuva cai de vez, tromba d'água,
o rio Joca se alarga na enchente,
inunda a vargem
espalha cheiro de terra molhada

encanto de sapos, caçotes e jias
alegria que se expande
pelas quatro bocas,
pelos quatro cantos,
apesar do suor e da mão calejada
labuta em renovar a peleja
que alimenta a esperança,
luz que banha de verde o sonho,
o leirão e o pé de feijão,
bem antes do meio-dia

a pino o sol se desabrocha 
lavoura em flor de algodão,
sobe o som do afiar 
das enxadas de ferro...
santa é a cantiga

que fecunda a Várzea,
as árvores florescem,
os frutos crescem
em reverência ao chão 

que se alastra em promessas 
por um agreste verde.