quarta-feira, 18 de julho de 2012

O PILÃO DE MARINAM DE LICA, por João Maria Ludugero



E a Marinam de Lica desde menina
bate no pilão a fartura.
Soca milho zarolho, fubá,
mandioca-mole, gergelim,
paçoca de carne-seca,
café torrado no tacho,
rapadura, amendoim,
goma e coco ralado
pra formar peito-de-moça,
carrapicho, pé-de-moleque, 
bolo preto, xerém para munguzá.
E a Marinam de Lica,
desde cedo, prendada menina,
capricha nos grudes, sem remancho.
E só de manjar dá água na boca,
Sentindo o aroma, a temperança 
que ganha as quatro bocas da Várzea
num perfume que recende a cravo e canela.
Como dá gosto de ver tantas guloseimas, 
espiar ela meter a mão na lida, sovar a massa. 
Ela não se avexa antes de dar o último ponto 
no fio do puxa-puxa da cocada. 
E olha lá que o sol já se deita no Calango,
e a estrela d'Alva aponta vespertina,
ao bater do pilão, enquanto Marinam de Lica
aparece na porta da cozinha, esbaforida, mas contente, 
ao passo em que a lua de tapioca se achega
ao quebra-queixo da tarde, Ave-Maria!