domingo, 31 de julho de 2011

Tudo no seu tempo

Não adianta sair atropelando e distorcendo caminhos...
Debaixo do Céu tudo tem o seu tempo!


Tempo certo, existe. Talvez aconteça às vezes...
Porém, não existe apenas um caminho certo!
Mas sim, tempos apropriados pra tudo.

É claro, que não podemos ficar de braços cruzados esperando...
Temos que semear nossas maiores alegrias, desejos e sonhos.

Acima de tudo é necessário sabedoria,
Para que possamos evoluir e engrandecer em fé com o tempo!

Mas há também momentos de se silenciar, observar, buscar o equilíbrio...
Contudo, olhos sempre fixos em nossa meta,
E semeando cada passo ao seu tempo.

Se você parar pra pensar, na vida nada acontece por acaso!
É a partir de uma determinada dor,
Que pode vir à sabedoria,
De se tirar o máximo de engrandecimento interior!

Ótima semana a todos!
Beijos amigos,
Beijos Sil!

sábado, 30 de julho de 2011

ONÍRICO

vertigem
Autor: João Ludugero

Hoje tive um sonho
estranho num labirinto
desses do tipo pesadelo,
de se lutar com desmantelo
debater consigo mesmo,
de pelejar com toda força  
de só querer acordar, de súbito.
Só Deus sabe como viajei
assim sem rumo
fui bater no cafundó de Judas,
Onde Maria perdeu o mapa e o dote
E, por pouco, quase não acertei 

o caminho de volta.
Isso depois de me valer de todos os credos,
de rezar a varejo, só pra sair inteiro
do tal beco sem saída.
Prendi a respiração,
o ar ficou rarefeito
E foi aí que o vento fez a curva,
entrei na rota do redemoinho
acordei desnudo no chão batido.
Acho que até dormi nos espojadouros,
entrei na baixa da égua
e saí no lombo de  uma vaca atolada,
Só de botas sete-léguas
E com a mão no bolso pelo avesso.
E acredite, não estou de lero,
Acordado, continuei a sonhar.
E, apesar de alguns sonhos que me doem,
outros me chegam bem-aventurados,
E insistem em tomar pé, sem querer se ir.
Se tanto me dói que os sonhos passem,
De certo é porque cada instante 
em mim é verdadeiro, autêntico,
ao buscar um bem definitivo viver,
onde as coisas do Amor se eternizem,
assim juntamente com as cicatrizes
que a vida me tatuou no peito.
E ainda costumo alertar àqueles
que têm medo de sonhar:
o pior da vida é perder os sonhos de vista
– em todos os reais sentidos, 
O mais sagrado da vida 
ainda é botar fé no sonho 
e  nele  acreditar acordado.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Multidões mudas



"Às vezes a prudência pode ser covardia
O silêncio, a culpa
O mau, o bom
O bem, o mal
A solidão, o castigo

Nem sempre braços entrelaçados é um abraço
Bocas juntas, um beijo
O banho molhado
Sol brilhando é dia
E Lua é noite

Muitas multidões são mudas
Muitos dias escuros
E as noites claras
Os erros acertos
E acertos errados

O riso pode ser triste
A felicidade presente
A lágrima alegre
O amor fatal
E a dor imaginária"

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Sinto que você se afasta...


http://www.fengshuinatural.com/Imagenes/Lirever.jpg

"Sinto que você se afasta...

...demostrado por sua frieza e indiferênça.
já não existe os olhares de amor de ontem,
nem os beijos que selavam a paixão existente.
E nesta prova tão clara e lancinante
já posso prever seu desaparecer pra sempre!
digo-te adeus como um adolescente,
ainda tropeçando de ternura por ti.
Entre soluços dos choros contidos...
dos meus olhos tristonhos,saem lágrimas
que escorrem,em direção a m'alma!


Sidarta

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Encontro de Menina

                                    Autora: Cláudia Costa  


Tarde alta, amigos em volta

Conversas amenas
Uma rota fora de rumo
Tentativa de referência, prumo.

Por hoje, nada de cobranças
Nenhuma ansiedade
Estou perto de quem mais tinha saudade
Estou ao lado de casa, do lado de fora.

Ouço, feliz, as vozes amigas
Olho seus olhos,
Degusto seus risos...
Nem lembro diferenças.

Hoje somos imensamente felizes
Juntos, leves, apaixonados
Por nossos cinemas, músicas,
Pensamentos, valores, conhecimentos...
Nos entrosamos, enroscamos, debatemos
Crescemos em nossas trocas,
Deliciamo-nos em carinhos de palavras
Refazemo-nos.

A noite caiu, a lua nos beija
A música amada de outros tempos
Nos brinda.
Amamo-nos por existir,
Na vida, nos olhos...
No outro...

sábado, 23 de julho de 2011

BALADA PARA UMA VACA LOUCA - ANTES DE SECAREM SUAS TETAS

Autor: João Ludugero

Se tiver que chorar,
que chore suas lástimas,
entorne suas lágrimas
aos cântaros,
antes que sequem
seus olhos d'água.
Chore de alegria,
se preciso for,
arremede seus mugidos,
estire a língua aos medos,
refaça-se em bocas e caretas
ou desate a tristeza,
pois mesmo depois
do leite derramado,
o importante é pensar
que a vida continua
e a vaca não morreu,
que está viva,
apesar de agora louca,
e segue outras bermas,
após sair do atoleiro do brejo
com as próprias pernas,
só carecendo, de fato, 
não de um empurrãozinho,
mas de ficar sempre alerta
para não escorregar em corte,
na engorda das barras do dia
ou na calada da noite,
ao deleite de outrem,
nas escancaradas mamatas
dos filhos da outra mãe.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Só VIDA!


Ninguém pode construir no teu lugar as pontes que precisarás passar para atravessar o rio da vida.

Ninguém, exceto tu, só tu.
Existem, por certo, atalhos sem número
E pontes
E semideuses que se oferecerão para levar-te além do rio
Mas isso te custaria a tua própria pessoa:
Hipotecar-te-ias e perder-te-ias.

Existe no mundo um único caminho
Por onde só tu podes passar.
Aonde leva?
Não perguntes, segue-o!


Vamos seguir o conselho do Nietzsche
Sem perguntas
Só VIDA!

Beijos
Ótimo final de semana pra todos!

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Quero ser...

                                                   Por: Cláudia Costa

Como a lua cheia que encanta
Como a cerveja que te mata a sede por prazer
Como o dinheiro que te sacia necessidades
Como a gueixa que te visita em sonhos impublicáveis

Quero ser pra ti

O silêncio que diz o necessário
A companheira escolhida pra vida
A amiga confidente das horas recolhidas
Teu suporte, teu norte.

Quero ser

Aquela de quem tens saudade
A voz cuja suavidade tem o dom de te curar a alma
Amenizar feridas

Quero ser

O ópio
A comida
A bebida
O sonho

Quero ser...
- Pra ti -
Simples
Realidade.

domingo, 17 de julho de 2011

ESPLENDOR

Autor: João Ludugero

Ao amanhecer,
Abrace-se mais demorado,
Alongue o corpo e o espírito
Abra-se com as janelas,
Desabotoe-se com as cortinas
E deixe o fascínio do sol entrar
Devagar pelos poros,
Pelas veias, capilares e narinas
Até a sentença das sombras se dissipar
Na presença dessa intensa luz
Que acenderá a aquarela
A iluminar todos os vãos da casa.
Agora, toda iluminada a mente,
Deixe sua vida correr solta,
Parecendo uma criança alada
Com raios de sol em sua trança,
Com o sol a contemplar sua dança
Livre de toda e qualquer amarra,
Ao som de uma solene cantiga 

Que só toca dentro da sua cabeça, 
E que só conduz ao mais completo êxtase!

Aurora


 Por Marília Felix

            A aurora desperta reluzente como quem tem algo bom para me oferecer, me lança forças que andei buscando em outras atmosferas cativantes, mas descontentes.

Passos tortuosos foram dados, espinhos me feriram deixando marcas que só agora começam cicatrizar, com o soar dos ventos que anunciam uma nova canção.

Joguei sementes por onde firmei minh’alma.
Colhi os frutos amargos e eis o tempo que os frutos doces enchem minhas mãos.
Ah, se esse momento pudesse eternizar!
Mas não teria graça, a luz em excesso incomoda.

Às vezes, é preciso o vazio, a penumbra, para almejarmos as coisas simples, que podem nos tornar radiante a cada dia, dependendo do olhar que se derrama.

É tosco para quem não enxerga além, para quem não sente o querer, para quem não se dá inteiramente.

E quando a existência parecer insignificante, olharei novamente para o horizonte e lembrarei de que a inércia não faz parte dessa trama, que muitas ‘águas irão rolar’ e o melhor ainda está por vir.

(Rogna Costa)


sábado, 16 de julho de 2011

Um poema Crescendo



Eu disse a ela uma vez, parafraseando Cazuza (que ela ama) que "nosssos destinos foram traçados na maternidade" e que não precisaríamos apressar as coisas, porque um dia com certeza algo mágico aconteceria entre nós... 
...e esse dia está chegando.


Rosa que embeleza todo jardim…
Rosa que me traz alegria sem fim…
Uma coca-cola e uma garrafa gim…
Rosa que causa um hilário caos em mim…
Rosa nada simples assado ou assim
Assim...
Uma amizade,
um carinho,
um afeto...
Sem fim...
Correr em seu sangue,
meu caminho
predileto.
MSN,
risos,
versos lindos...
Devaneios
de quem queria lhe dar
mais que palavras...
Poemas lisos,
deslizes poéticos lidos
E-mails
comentários,
queria mesmo era lhe dar
mais que palavras...
Palavras que pedem ações
Palavras que clamam por abraços
Urgência...
É o que manda nossos corações
Perder a noção...  apertar os passos...
Palavras que já estão escritas fora do papel...
Destinos traçados... e as estrelas assistem do céu.
Um poema crescendo
Como o desejo constante por seus  beijos...
Algo vai acontecendo
Logo é o momento de entregar-se aos desejos.