domingo, 20 de novembro de 2011

Aos Alvirrubros.

Era o ano de 1968 e na época com onze anos fui levado por um tio para assistir ao jogo que daria ao Náutico o maior título de sua história, o hexa campeonato.

Na velha geral, ao lado das velhas cabines de rádio no velho “balança mais não cai”. Ali sentado, pela primeira vez pude sentir a emoção de ver de perto o meu Náutico campeão.

Desde então torço pelo Náutico e consegui transferir essa paixão para meu filho, que provavelmente transferirá para meus netos e assim por diante.

Explicar o que sente um torcedor pelo seu time, só quem é torcedor sabe. O importante é mostrar que a paixão pelo time do coração deve ser uma paixão racional, sem violência e sabendo que o futebol é um esporte onde sempre haverá vencedores e vencidos.

Hoje como “vencedores” nós comemoramos o acesso a série “A” do campeonato nacional, lugar de onde nunca deveríamos sair devido à grandeza e a história de nosso clube. Venho presentear aos velhos e novos Alvirrubros com esse hino do Náutico da década de 60.

Saudações Alvirrubras!



Francisco Diniz.

Na minha cabeça...


Por Marília Felix
Pensamentos a mil...
Borboletas no estômago!

Uma verdadeira metamorfose ambulante
Onde a vida é mais que TUDO,
Um sonho sem fim!

O meu coração está cheio de larvas
A serem transformadas em borboletas.
As borboletas voam em meu estômago,
E me mantém viva...

E como eu amo a minha vida!

E dessa vida, eu quero TUDO,
Mesmo sabendo que esse tudo, para alguns seja nada!

Sil e amigos, ótimo findi pra vocês.
Desculpe a minha ausência ultimamente...
Tudo é muito corrido. Ao mesmo tempo, tudo é belo!
Basta, saber olhar!
Abraceijos meus.
=)