quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Dona de Mim

Por Sil Villas-Boas (Reeditado)

Sou dona de mim
Dos meus anseios e medos
Dos meus receios e segredos
Tenho nas mãos o reflexo de uma alma livre
Ando em caminhos de espinhos
E deito-me em cama de rosas

Sou dona de mim
Quando comungo com a natureza
Faço o sol deslizar na minha pele
Faço a lua me enfeitar de luz
E a chuva molhar meu rosto
Retiro do arco-íris as cores pro meu sorriso

Sou tua dona
Ao te ver, tocar
E desejar te amar
Sou dona de ti
Na tua plenitude
Na tua vontade satisfeita
Sou tua dona quando aceitas
Minhas ilícitas leis
De não te deixar ir

Sou a dona de mim
Ao me sentir livre
Leve, inteira
E magicamente,
Uma simples mente
Feliz.

Poema da Coluna Jardim dos Pensamentos