sábado, 3 de setembro de 2011

TETO SOLAR


(Poema dedicado ao meu filho
Igor Gabriel Ludugero)

Autor: João Ludugero
 Igor,
tua presença
tanto me agrada
que é tal qual música
que nunca toca em nenhuma rádio,
que me traz a alegria de estar vivo,
simplesmente
de bem estar bem
em sintonia como a ouvir
o som de um violoncelo
que me leva a um mundo mágico,
que me leva para longe do mundo trágico,
que me leva direto para o mundo belo.
Nem se demora o eclipse
a esconder sol e lua, pois perto de ti
não há receio de escuridão.
Sou alvo de tua estrela, noite e dia.
Não há distância que me afaste da tua luz,
quando estou a segurar tua mão, que me guia.
Para ser salvo
só preciso do mínimo:
do teu sorriso,
da tua ternura,
não muito mais que isso.
É tudo de que necessito
para salvar o mundo, sem armas.
Certa feita, não me esqueço
de lembrar que te indaguei:
- Igor, meu filho,
qual o tamanho do Amor que sentes por mim?
De pronto, foste muito mais que direto
ao teu coraçãozinho gigante
e respondeste:
- Pai, sei não, mas acho que te amo até o teto!
Isso me bastou. Não é o máximo?
Calaste-me o espírito.
Fiquei quieto, sem palavras.
Senti-me o homem mais rico do mundo,
o mais importante, de fato.