sexta-feira, 11 de novembro de 2011

FASCÍNIO - João Ludugero


(Texto inspirado ao ler "Pequenos Prazeres" , 
da Amiga Sil Villas-Boas, a quem dedico este meu poema) 

Mesmo agora longe do teu abraço,
Ainda assim me sustento, 
Nele me asseguro, sinto firmeza,  
Desamarro nos teus laços meus temores.
Apanho-me, atrevido ao arrebatamento.
E assim, sem tirar os pés do chão, 
Viajo dentro do alto, horizonteio-me,
Dedico-me a contemplar essas coisas
Que me completam e me dão prazer:
Sinto-me livre, leve e solto ao beber 

No céu da tua boca de suaves licores,
Sinto o beijo da brisa 

Que passa por mim, e fica
Como chuviscos a cair 

Cheios do céu, de súbito,
A desnudar meu corpo 

Vestido de contente,
Sinto-me a andar com asas, e consigo, 
Piso descalço na areia morna do rio,
Ardente, agarro o sol com a mão  
Num belo fim de tarde 
Que alaranja o céu...
Sim, a essas coisas pequeninas dou cabimento,
Pois elas caem como chuva com sol radiante
A me ninar em cores fascinantes,
A banhar minha alma de enorme paz!

Pequenos Prazeres - Sil Villas-Boas
















Durante as minhas ausências, dedico-me à tarefas que me dão prazer:
Sentir a leveza das borboletas
Sentir um beijo de chuva
Sentir nos pés a areia morna da praia, num belo fim de tarde.
Sim, são coisas pequeninas,  mas  elas oferecem-me uma enorme paz.