domingo, 25 de novembro de 2012

AZINHAVRE, por João Maria Ludugero



Cheiros e ruídos  invadem a casa, 
As molduras dispostas na parede  
Ganham cores cinzas, ácidas.
O passado a limpo tanto encharca 
Quando encobre de azinhavre as pratas.
Tudo tem um jeito encardido na estante.
A Jarra, o pote, a moringa
A gamela no jirau a secar a puba,
A bisaca de farinha de mandioca
O tacho de cobre, o zinabre
A cela, os estribos, o arreio
O tempo enferruja as catracas
No desapear das horas 
Num bater de cascos incansável
Folhas secas pelo chão de dentro
Vento a ventar no riachão,
Bichos soltos a pastar no Vapor
Grito seco da moenda caiana
Caldo de cana nos ariscos
Estouro de saudades da Várzea
No topo da igreja, São Pedro apóstolo
De sentinela a olhar por nós
No peito, prevalece a fé santa  
Que não oxida nem corrói 
A desatada alma da gente
Que prossegue contente 
Em cores vivas!

ENTARDECERES EM ACORDES, por João Maria Ludugero


Quantos pores-de-sol eu já perdi de ver? 
Eu gosto dessas coisas, de sentir 
essas cores espalhadas pelo céu aberto.
Eu viajo nessas bonitezas esfiapadas. 
Meu coração parece que fica maior, e vai junto 
quando mergulho meus olhos nesse lusco-fusco. 
Dá uma vontade tremenda da gota serena
de correr e gritar como se estivesse numa dança
ouvindo uma cantiga interior... Várzea a dentro.
Mas pena que muita gente não observa isso não,
quase ninguém pára só pra gostar disso.
Não sabe o que está perdendo.
Francamente, eu acho lindo esse embalo!
Hoje à tardinha parei para ver o sol poente. 
Passei um tempão olhando para a tela celeste, 
sem fazer nada. Daí olhei pro céu e pensei:
Em quantos amanheceres 
deixei de apreciar seus acordes
E em quantos pores-de-sol 
deixei-me levar pela poesia 
dentro daquela saudade 
que me apanhou entardecido?