sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

BAR DO INTERIOR, por João Maria Ludugero

BAR DO INTERIOR,
por João Maria Ludugero

Dizem que eu sou cachaceiro,
Que esbanjo uma arretada dose,
Para não morrer à míngua.
Mas cachaceiro eu não sou.
Cachaceiro é quem fabrica pinga,
Eu só a consumo em dor!

Pinga gota... 
Repinga toda,
Deixa a mágoa transbordar. 
Hoje sou afluente de um rio, 
Amanhã serei um mar.
Hoje pinga pinga e sou rio,
Amanhã decidirei desaguar,
Se sou chuva ou garoa....

Mas molha, viu gente, pois
Todo homem é sua taberna 

Em benditas doses de pinga.

VÁRZEA-RN EM DESFRUTE DE BEM-TE-VI, por João Maria Ludugero

 
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  






 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
ÁRZEA-RN EM DESFRUTE DE BEM-TE-VI,

por João Maria Ludugero

Canta o bem-te-vizinho
Do outro lado da Várzea,
Mais um pássaro dourado
Na surpresa na tarde amena -
Na florzinha de acácia de verdade
bebe o astuto passarinho 
Néctares de amoras pretinhas -
Nas patas todas manchadas se acha
a prova do crime lusco-ofuscado. 


Na terra agreste 
O filhote do bem-te-vi
Cisca sem direção 
Flores de acácia pelo chão
De dentro, agora cobrem os tapetes
Amar-elos amor-tece-dores,
Na cerca farpada de arames
Ramos de amoras vermelhas
Doçuras à vista!
No quintal da escola,
Gritos e bocas tingidas
Pitangas maduras.


Recomeço do dia -
Trinados de bem-te-vis
Fazem a festança
Manhã no pomar -
Camisetas das crianças
Manchadas de cajá e amoras 
Dentre galhos carregadinhos -
De flores de acácias.


Amoras maduras -
Crianças com bocas roxas
Cutucam os galhos.
As bocas manchadas -
Onde estão as amoras
Que aqui se esgueiravam?


Chegada ao recreio -
Ante o brilho das acácias
Olhos para o alto
Tenho muita pressa -
Pitangas ainda verdes
À espera da chuva dos cajus
E do canto do bem-te-vi -
Nas mãos afoitas arteiras
Um punhado de umbus
- Última colheita.
Faz o magote de meninos 
Levados da breca por um triz medonho 
Na praça do encontro da algarobeira,
Praça da Fé em São Pedro Apóstolo,
De sentinela no topo da igreja-matriz
Lá da Várzea das Acácias!