sábado, 9 de julho de 2011

A QUEM MAIS EU PODERIA DOAR MEU CORAÇÃO?

Autor: João Ludugero

Não temo a lida
Eu acredito na força do braço
Eu pego a trilha entre a planicie e o precipício,
Caminho entre um dia conturbado outro sereno,
Compelindo-me ora ao néctar ora ao veneno,
Entre o autocontrole e o vício.
Eu enfrento meus bichos,
Dou espaço ao deslizar do tempo
Eu me movo disso, e consigo  
Entre as favas contadas e o desperdício,
Entre coisas vastas e as pequenas,
Na escada dos meus erros chego ao pleno,
Vislumbro luz ao final do sacrifício,
E acho paz após o obscuro fim do túnel.
Sigo Deus mas sem seguir doutrinas,
Vejo grandeza nas coisas pequeninas,
Sei que há um escaninho em mim,
Um cofre de guardar gratidão.
Caio, levanto, ergo-me, sacudo a poeira
Choro e sorrio juntando meus pedaços,
Vou correndo os nós, desatando o essencial,
Sem carecer de ir cortando os laços,
Buscando pouco a pouco a perfeição.
Quem sabe um dia
Eu possa me doar inteiro,
Quem sabe através da poesia
Que me guarda em vida,
Eu me sinta a salvo, bem encaixado
A bater valente noutro coração.