quarta-feira, 5 de março de 2014

CATOLÉ, por João Maria Ludugero.

coco_verde (1)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
CATOLÉ, por João Maria Ludugero.

O vento balança o coqueiro
cai coco do pé 
eu trepo na palmeira, sem peias
voo nas alturas
pela Várzea a fora
derrubo o coco
nisso vejo a poesia que perdura
que trago curtida no coco
pra disparecer o quengo
no arrebentar das ideias

Dispôs, depois não reclama
pois a vida é dura
muito mais que o coco,
na quebrada das horas 
no calejo das mãos
na subida do coqueiro 
na peleja da lida 

Ainda assim,
permaneço atento,
não bato o catolé
não arredo da laia
arrodeio da lama,
feito caranguejo
de frente à quenga da vida

De sobra, ralo o coco,
misturo no mel de cana, de engenho 
oh, menino, passa cá a quenga de coco,
vou fazer uma cocada
pondo açúcar e limão. 
Se quero cocada preta,
ponho no fogo um tempão 

Se preferir, pode ser
com rapadura batida

que no fogo essa mistura 
vira logo um quebra-queixo,
puxa-puxa esse moleque 
que a vida tem razão,
se a menina nos convida
a saber se o coco é oco.
deixe de lado o dengo.

Mas como sabê-lo, sem prova
se não esquentar o quengo?