segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

VOO PELO INTERIOR, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 

VOO PELO INTERIOR,
por João Maria Ludugero

Solto-me de ânsias, no limiar do desapego
Liberto-te asa enroscada no meu corpo
Em seiva bruta despetalo-te tão febril
Num abraço profundo em teu adeus...

Descaibo sem asas de anjo-de-guarda
No adejar da tua face num beijo roubado
E estremeces qual flor lançada ao vento
No estio rubro de madrugadas quentes

Reato gemidos num mapear de carícias 
No entrelaçado encontro de afoitos bicos 
Nas penas esbugalhadas em corpos distantes
E num engenho de versos alados
Reescrevo as páginas do interior
Na suave melodia desta cantiga...

ALÉM DA LIMONADA, por João Maria Ludugero

ALÉM DA LIMONADA,
por João Maria Ludugero

Teu aroma envolvente só me deixa
Zonzo, louco, ávido e dependente
Envolto em pensamentos além de afoitos 
Duvidosos, maliciosos, quem sabe até inocentes
O teu cheiro em lumes, 
Teu perfume de limão
Que me eleva ao céu 
Dentro e alto em tua boca esplêndida.

A tua língua me percorre e sente
Inebriada no meu corpo quente,
Mistura de cheiros, gostos e ideias
Afrodisíaco...que não me deixa à míngua,
Ao bem-querer estar em delícias ardentes
Ao entrar neste teu cheiro de limão 
Que me incendeia por inteiro,
Amor tecido de amante a amador,
Entretido em ácido pra lá de reluzente!