quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Saudade

Texto de Renato Cardoso.
Colaboração: Silvério Reis


Hoje venho falar da saudade.
Da saudade que sinto de um amor que um dia vivi, e que por vezes me ponho a sonhar.
Da saudade de um rosto que até então guardo na memória. Saudade de alguém especial, que com o amor completa o sentido da minha vida.  Saudade daquele olhar a me observar, me destinando centenas ondas de amor puro e verdadeiro. Saudade daquele beijo a me acarinhar, me tranqüilizando nos meus momentos mais difíceis. Saudade daqueles abraços, daquelas palavras.
Saudade, simplesmente saudade. 
Saudade de quem a vida separou.
Saudade de quem carrego no coração.
Saudade de um rosto que aos poucos vai se montando em minha memória.
Saudade daquela que amei e que muito amo.
Saudade, gosto de nostalgia misturando com o doce fascínio do amor inesquecível. Mas junto a saudade vem a certeza de que um dia, mas breve possível, essa saudade não passará de uma simples lembrança. Lembrança da saudade que um dia tive. Pois a partir deste dia aquela a quem tanto amei e amo estará ao meu lado novamente. 
Ah, se ela soubesse o quanto sinto sua falta e o quanto necessito deste reencontro. Mas a vida tratou de deixar o caminho da volta marcado. Deixou o meu semblante a face da saudade. Portanto será fácil me encontrar, serei justamente aquele que no mundo mais sente e chora por saudade. Serei aquele que reza todos os dias pela sua volta. 
Pois só a partir de então deixaria a saudade no esquecimento e passaria, realmente, a viver um lindo sonho que um dia a vida interrompeu, porém não terminou. Separou para fortalecer. Quando o reencontro acontecer, do meu rosto a saudade irá embora e a felicidade nele voltará a reinar, pois finalmente minha vida estará completa e então daríamos continuidade a uma vida, há tempos iniciada, com paz, amor, harmonia e, principalmente, união; união divina.