quarta-feira, 6 de outubro de 2010

AMOR OU NADA!



Quero os sorrisos de antes,
falar de amor, diga-me do seu amor,
mesmo quando não falamos de amor,
tem as metades de tudo que tenho,
tenho nada dos carinhos que espero...

Cala minha boca o amor que tenho,
que a paixão não seja apenas caminho,
uma metade ficou sua, a outra estou perdendo,
sufoco-a com o tanto que lhe quero,
até devolver outra metade... até nos perdermos...

Não sei usar a força do medo de perdê-la,
meus gritos não fazem som nos seus ouvidos,
a mulher que amo diz palavras que não entendo,
jamais pedi para ser amigo,
então, todos meus desejos ficam tristes...

Não estou pedindo para ir embora,
seu silêncio de amor me deixa sem respostas,
sem notar, está me expulsando e a minha paixão...
tenho medo, mas preciso me sentir feliz,
ainda que minha boca grite ''te amo'', estou saindo.

Deixou montes de saudades de outros dias,
palavras simples que se tornaram carinho no peito,
as músicas que ouvíamos, afastando a solidão,
era ao menos suportável a distância dos corpos,
voltamos milhares de vezes ao mesmo lugar e amamos.

Já não fazemos amor, algumas vezes apenas sexo,
esfria quando abrimos janelas e olhamos para fora...
enquanto escrevo, minhas palavras são saudades,
algumas coisas jamais vão da lembrança,
amor não morre... involuntária, você tenta matar.

Não serei o abrigo, não quero ser amigo,
sou amante ou nada, é minha ou nada,
meus beijos são de amantes, as mãos, os toques,
as invasões, os abraços, as palavras, a paixão,
sou amor ou nada, minha agora... ou nada...

 Autor - Caio Lucas 
Colaboração - Silvério Reis

2 comentários:

Suzana Martins disse...

"Não estou pedindo para ir embora,
seu silêncio de amor me deixa sem respostas,
sem notar, está me expulsando e a minha paixão...
tenho medo, mas preciso me sentir feliz,
ainda que minha boca grite ''te amo'', estou saindo."

Lindooooooooooooo

Beijoos

T@ty disse...

… Impressionada com sua delicadeza e talento com as palavras! Os sentimentos ai estão expressos em uma harmonia tremenda e sem hesitar posso dizer, perfeito!
Sabe vou lhe contar um segredo, suas palavras se tornaram clamores de minha alma.
Sinto que escreve com a alma e com o coração e não tão somente com os dedos.

Amei cada palavra!

Beijos