segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Bailarina


Por Sil Villas-Boas
Dance, pequena bailarina.
No seu pequeno palco sem luz
Dance nos dias brancos
E nas noites azuis
Dance, pequena bailarina
Deslize sob a pele nua
Com seu vestido prateado
Expressa uma dor que não sua
E ela dança em sentimentos
E
ela dança devagar
Refletindo pensamentos
Tristes e presos num olhar.

6 comentários:

A Viajante disse...

Que suave e doce esse poema, muito bonito e representa um sentimento, gostei, apesar de eu nao saber danças nada, rsrs, o poema da uma vontade de dançar suavemente ou apreciar mesmo um espetáculo de uma bailarina!

beijos

Guará Matos disse...

Então vamos dançar?
A alegria esta nos passos
Nos movimentos
Nos rodopios
Que o mundo dá.

bjs.

Tatiana Kielberman disse...

Minha querida Sil,

Muitas vezes, certos sentimentos ficam aprisionados dentro do coração, mas nada como os lindos passos da doce bailarina para amansar as lágrimas e trazer sorrisos!

Poesia singela e maravilhosa!!

Muita luz para a sua alma, hoje e sempre!

Beijos, com carinho!!

RosaMaria disse...

Dance minha querida bailarina.
Se entregue a ciranda das incertezas.
Dance com elas... e sinta a felicidade pousar em sua alma.

Sil.
Que mimo de poesia Adorei!
Beijão nesse coração lindo.

The Well disse...

Legal, Sil! Essa veio das profundezas. Dançar é muito bom.

Mas eu prefiro um rock headbanger do Sepultura!!

Xêro!

Suzana Martins disse...

Dance pequena bailarina e vista-se de letras numa sapatilha de papel!!!

perfeito!!!

Beijos linda que eu adoro