quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Sobriedade Delirante


Por: Cláudia Costa


Na inconstância mutante dos tempos que vivo
Onde tudo ocorre mais dentro que fora de mim
Entre vícios apaixonados, histórias bobas,
Realidades cortantes.


Por dias inteiros essa louca necessidade de controle
Não há mais vinhos, não há mais vícios apaixonados,
Não há mais anestésicos que preencham meus espaços
Não há mais espaço pra fugas
Não há mais fugas possíveis na sanidade.


Há essa realidade concreta
Que leva, dói, silencia o mundo
Arrebenta tudo por onde passa
Sem passado nem futuro
Existe HOJE
Existe AGORA.


Necessidade diferente
Pra uma alma passional
É viver na corda bamba
Da imensa responsabilidade de SER
Simples e complexo assim.

4 comentários:

Luna Sanchez disse...

"Onde tudo ocorre mais dentro que fora de mim."

É isso, o mistério todo está dentro. E as chaves também, só que em algum cantinho mais difícil de encontrar.

;)

Um beijo.

Tatiana Kielberman disse...

Clau, querida...

Suas letras tocaram forte meu coração... Não que isso seja novidade, óbvio, mas você escreveu palavras que eu precisava muito ler e introjetar!! De verdade!

Muitas vezes, me vejo exatamente assim... Realidade me puxando para o chão, para o agora e o hoje, enquanto a mente e a alma desejam permanecer nas ilusões...

E quanto tempo a gente desperdiça quando demora a atender ao chamado da vida... Mesmo que a sobriedade não nos encante tanto, vale mais a pena atentar a ela do que não ter onde cair bêbado depois!

Certo? Não sei, mas parece...

AMEI!

Um beijo gigante!!

Rabisco disse...

Até hoje nunca consegui viver apenas esse imediato, o agora.
Ainda sonho com isso.

Gostei muito!

Abraço

http://www.rabiscosincertossaltoemceuaberto.blogspot.com/

Sonia Pallone disse...

Depois de te ler, fiquei assim, com 'cara de paisagem', coração sem cenário, a deriva no peito...