quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Da Vontade de Você

Por: Cláudia Costa


Cá estou em uma espera delirante
Olhando horas que se arrastam
Que te afastam
Quando deviam te trazer.


Cá estou nessa ansiedade acelerada
Numa sede agonizada
Numa quase fome de você.


Aguardo momentos pequenos
Onde talvez se dêem nossos encontros
Aguardo seu chamado de desejo
Pra me contagiar.


E eu viajo...me deixo conduzir
Em pensamentos, em desejos,
Em ilusões...


No fim, por mais que te veja
De olhos e movimentos
Caídos por mim...
Penso que te criei, me iludi
Feliz assim
Em acreditar...
No olhar, nas palavras,
Nos nossos movimentos.


Esqueci que somos mundanos
Humanos, rasos, sexuais
Superficiais.
Por vezes, apenas caça e caçador.


Facilitei a caça
Me perdi no teu prazer...

7 comentários:

Sil Villas-Boas disse...

Cláudia

Como é maravilhoso este momento a dois. Seres a compartilhar a doce magia do amor e da paixão. Demais este poema aqui no Jardim. Adorei, mestra da poesia.
Bjusss e bom feriado.
Sil

Max Psycho disse...

Parabéns pra Claudia, Sil saudades de ti, vc viu a foto que postei na twitpic em sua homenagem???

SOYPKS disse...

Buenos días pase a desearte un Feliz Fin de semana.
Besos de tu amiga de Venezuela
(¯`v´¯)
`•.¸.•´
¸.•´¸.•´¨) ¸.•*¨)
(¸.•´ (¸.•´ .•´¸¸.•´¯`•-> ♥Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ SOYPKS Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ♥

A Escafandrista disse...

Oi, Fê. Que bom retornar a esta casa !!! Feliz feriado pra ti. Bjs.

Olho no olho disse...

Cláudia.
Mergulhei nesta sua poesia e a achei absolutamente bela, ardente e cheia de paixão, amor e vida.
Parabéns!

Semeadora de Palavras disse...

Olá

Iniciei um blog há pouco tempo e ficaria feliz com sua visita. Espero que goste do meu espaço como eu gostei do teu cantinho.Sigo-te

Beijos
p.s: depois eu volto para comentar os posts ;)

Tatiana Kielberman disse...

E como seria fácil se a gente pudesse caçar, de vez em quando, as pessoas "erradas", posteriormente devolvendo-as ao lugar de onde nunca deveriam ter saído, né?

Pena que a vida não é assim e apresenta muito mais desafios do que imaginamos... nas horas mais inesperadas!

Viajei em seus versos, ritmando uma história do começo ao fim... No início, o prazer, a sede e a boa ilusão... Ao final, talvez decepções que ajudam a matar algumas intimidades...

Lindo, Clau!

Um beijo enorme!!