sábado, 9 de julho de 2011

A QUEM MAIS EU PODERIA DOAR MEU CORAÇÃO?

Autor: João Ludugero

Não temo a lida
Eu acredito na força do braço
Eu pego a trilha entre a planicie e o precipício,
Caminho entre um dia conturbado outro sereno,
Compelindo-me ora ao néctar ora ao veneno,
Entre o autocontrole e o vício.
Eu enfrento meus bichos,
Dou espaço ao deslizar do tempo
Eu me movo disso, e consigo  
Entre as favas contadas e o desperdício,
Entre coisas vastas e as pequenas,
Na escada dos meus erros chego ao pleno,
Vislumbro luz ao final do sacrifício,
E acho paz após o obscuro fim do túnel.
Sigo Deus mas sem seguir doutrinas,
Vejo grandeza nas coisas pequeninas,
Sei que há um escaninho em mim,
Um cofre de guardar gratidão.
Caio, levanto, ergo-me, sacudo a poeira
Choro e sorrio juntando meus pedaços,
Vou correndo os nós, desatando o essencial,
Sem carecer de ir cortando os laços,
Buscando pouco a pouco a perfeição.
Quem sabe um dia
Eu possa me doar inteiro,
Quem sabe através da poesia
Que me guarda em vida,
Eu me sinta a salvo, bem encaixado
A bater valente noutro coração. 

5 comentários:

Amandio disse...

Bonita poesia, o poeta é forte valente porque não teme o que escreve as suas emoções lindas e vividas...
O poeta é perfeito, até mesmo quando se doa por completo entregando o coração!!!
Bom diaaa

Tatiana Kielberman disse...

Sempre lindss as suas declarações!

Beijos, João!!

VeraBruxa disse...

Enfrentar os bichos...ver grandeza em coisas pequeninas...
Gostei.
Vera Mosmann

Anônimo disse...

Lindos os contos!

Gostei daqui...

Cris

Sil Villas-Boas disse...

.....Eu enfrento meus bichos,
Dou espaço ao deslizar do tempo....

E que o tempo seja sempre seu aliado para o seu deslizar de belos temas poéticos. Nunca pare de poetar verdades na vida.
Bjusss
Sil