sexta-feira, 9 de agosto de 2013

MÃE, QUE SAUDADES DE TI, DONA MARIA! por João Maria Ludugero.

Jura-me de uma vez por todas,

Eu ainda quero bem-te-vizinhos na nossa janela, 
Brisa primaveril acordando as cancelas do quintal, 
Cheiro de cuscuz de fubá de milho zarolho ao leite,
Sobressaltando as minhas narinas à ventania
Ou o cheiro do bule de café na mesa da cozinha
Repleta de bolachas regalias, soldas e sequilhos,
Lembrando-me que as nove horas teriam um fim.
Prometias-me:
A tua mão na minha mão; 
O teu cafuné na minha cabeça,
A tua cantiga que me acalmava 
Até espinhela caída em algaravia...
Tua canção que me ninava,
Teu beijo que me consolava,
Tua palavra que me animava...
Mas que saudades de ti, dona Maria!

Nenhum comentário: