quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

JENIPAPO, por João Maria Ludugero

FRUTOS DO JENIPAPO
jenipapo
FRUTOS DO JENIPAPO 
Jenipapo07 jenipapo42 jenipapo2
JENIPAPO, por João Maria Ludugero

Como era doce andar
Pelo quintal da casa 
Da minha Avó Dalila
E se deparar 
Com aquele pedaço 
Da Várzea em flor.
Era um pomar assim
Cheio de goiabeiras,
Mamoeiros, bananeiras
Canas-caianas, 
Pés de pitangas,
Pés de coqueiros
E jabuticabeiras.
Como era bom trepar 
Pra colher frutas de vez 
Ou caindo maduras do pé!
Dá até água na boca 
Só de pensar
Nas carambolas,
Nos maracujás,
Nos tamarindos e nas pitombas.
Lembrar dos umbus-cajás-mangas
Por todos os lados
Com travo e doçura.
Mas quanta falta sinto 
Do meu pé de Jenipapo!
Eu o plantei, vi-o crescer lá no barranco,
Dando frutos encerados da cor da terra,
Caindo entre folhas verdes, 
Esborrachando-se maduros, 
Perfumando o ambiente e o meio
Onde a vida era um bem
De mais valia.
Pluft-plaft!
Hoje ele já não existe mais.
Caiu por terra, meu jenipapeiro,
Aos trancos e sopapos,
Prostrou-se aos golpes do machado.
Depois de velho, 
Virou lenha para a fogueira.
E hoje para matar a saudade
Degusto um bom e velho licor caseiro
Que traz o sabor agridoce 
Do jenipapo. Pluft!

Ou não seria uma imitação sintética,
Um aromatizante artificialmente colorido
Idêntico ao natural podendo variar em aroma e cor
Em função da safra da fruta de origem
Sujeita a conservantes variações flavorizantes?
Mesmo assim, revivo nesse cálice de poesia

Tudo outra vez. Plaft!

Nenhum comentário: