domingo, 26 de janeiro de 2014

NOSSA VÁRZEA-RN, CIDADE DA CULTURA, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
 
 
 
NOSSA VÁRZEA-RN, CIDADE DA CULTURA,
por João Maria Ludugero

Onde um dia dormira
Um vasto agreste,
Hoje acorda Várzea,
Nos braços do rio Joca.
Acorda tão viva, singela,
Simples, formosa e bela,
Abraça as estrelas dentro e alto,
Além do horizonte que me nina acordado, 
Dentre as duas palmeiras de São Pedro,
Apóstolo de sentinela no topo da igreja
Sob o acorde de pacatos sonhos 
E o azul do céu potiguar.

Esta é Várzea-RN,
Cidade da Cultura,
Assim denominada por Deífilo Gurgel,
De asas douradas ao Vapor
A voar soberana além da aridez,
Quase ave, sabiá ou afoito bem-te-vizinho,
sob a abóbada celeste 
E os raios do sol flamejantes,
Ainda mais a verde-musgar
As águas do açude do Calango.

A boa visão do açude
Em nostálgica canção
De girassóis meninos,
Traz no vento a saudade
Dos varzeanos de outrora.

Não te desejo Várzea,
A conquista do mundo,
Conquiste dias felizes,
Assim conquistarás corujões e bacuraus,
Sob o pólen da alma de flores
Que adejam os astutos colibris
Dentre reverdecidos juazeiros ou

Dentre alaranjadas flores de mulungu.

Nenhum comentário: