domingo, 20 de julho de 2014

VÁRZEA-RN BEM APANHADA EM LICOR DE JENIPAPO, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
VÁRZEA-RN BEM APANHADA EM LICOR DE JENIPAPO,
por João Maria Ludugero

Leve-me à Várzea das Acácias
E traga-me lápis e papel, sem alvoroço:
O meu poema se perderá entre duas imensidões
Desde as quatro bocas até o açude do Calango
Ou revoará em busca de ficar mais perto dos bem-te-vizinhos.

Conduza-me ao Vapor de Zuquinha
E coloque onze-horas em flor ao meu lado:
irromperá um poema desentristecido,
Nada piegas, meloso ou antiquado.

Invista-me numa desbotada calça jeans,
E deixe-me pegar bem apanhado 
Num singelo banho de licor de jenipapo:
Eu começo a pensar num poema sedutor,
Desses que me sujem o corpo, sem alarido:

Daí, eu todo me transformarei num poema só para ti,
Oh, singela criatura abençoada por São Pedro Apóstolo,
Diga-me de uma vez por todas aonde moras sem mistério

Nessa seara pelo interior da terra de Joaninha Mulato?

Um comentário:

Graça Pereira disse...

Gostava de experimentar esse licor que, há décadas...oiço falar dele!
Serve de aperitivo...digestivo ?
Gostei da postagem Abraço
Graça