quarta-feira, 13 de agosto de 2014

AGRESTES TRILHAS VARZEANAS, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
  
  
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

AGRESTES TRILHAS VARZEANAS,

por João Maria Ludugero.

Meu coração partido
Em dois caminhos
Pela Várzea das Acácias:
Um vai, ao alvorecer,
O outro volta ao lusco-fusco
Da tarde amena que me nina.
Não há sinal,
Não há meio,
Não há final,
Nem estreitas curvas
Pelo chão-de-dentro
Do agreste verde.

Dois caminhos que elevam,
A mesma estrada do Umbu,
Uma trilha ao Itapacurá ou à Forma,
Um caminho que leva ao sítio do Maracujá, 
Antes de passar pelos lajedos dos Seixos
Ou beber a mais doce água no Riacho do Mel,
Um renovar de esperanças ao verde-musgo
E uma dúvida se estende ao limo do Vapor:
Ir ou vir?
A partir das onze-horas,
Desde as quatro bocas,

Se chega aos Ariscos!

Nenhum comentário: