terça-feira, 6 de outubro de 2015

A VARZEANIDADE DEIXOU MARCASNO TEMPO DA VELHA INFÂNCIA: VÁRZEA, ESSA É A DIFERENÇAA CORRER DENTRO DA SAUDADE,por João Maria Ludugero.

A VARZEANIDADE DEIXOU MARCAS
NO TEMPO DA VELHA INFÂNCIA: 
VÁRZEA, ESSA É A DIFERENÇA
A CORRER DENTRO DA SAUDADE,
por João Maria Ludugero.

Ando a bancar o destemido
Driblando o açoite da tarde
Pra sobreviver aos rufos da saudade
quando a tristeza corrompe
o espelho interpela atroz
O redor se espanta em arrodeios
Chego a assanhar até mesmo os pelos da venta
Sem medo da cuca esbaforida
Esbugalho as folhas do receio
Em mãos meu álibi de bem-te-vizinho
A alaranjar os mulungus em flor ao Gravatá,
Mas faz-me sanhaço só ao arrebol
Lá pras bandas do Vapor de Zuquinha,
Além do horizonte de São Pedro Apóstolo,
Disposto na torre da igreja-matriz,
Sem dar as costas para a rua do arame.

Vejo-me além dos verdejantes juazeiros
Rumando ao caminho do Riacho do Mel,
Encontro-me verde-musgando aos Seixos
Sem medo do Gado Bravo na presente lida
Acho-me nas Formas desde o Umbu ao Maracujá,
A renovar as esperanças lá pela seara
de prendada dona Tonha de Pepedo.

Um dia me larguei num bueiro da Vargem
Com minha alma a perguntar o porquê
A satisfação é gritante e não me grila
A correr dentro do Itapacurá das pitombas
Lá do sítio da inesquecível Julieta Alves,
Lá da casa de farinha de tio João Pequeno
A degustar grudes, cocadas, beijus e tapiocas
Numa ávida loucura que me dilacera o peito
No seio da Várzea de madrinha Joaninha Mulato,
Recanto dos picadinhos e dos crocantes torresmos
Que bem fazia dona Rosa de Antônio Ventinha...

Várzea, minha Várzea das Acácias,
Chão-de-dentro do equilíbrio das pernas astutas,
Do autêntico menino João maduro Ludugero levado da breca
Que me levanta sem carecer de pára-quedas, nem rimas,
Se caio, se dói, se aperta, se machuca, eu disparo
Diante do tô-fraco dos guinés ou galinhas d'Angolas,
Perante a praça do Encontro Kleberval Florêncio,
De frente ao Recanto do Luar de Raimundo Bento,
Transbordam lágrimas a marejar meus olhos d'água
A desabrochar flores agrestes de jasmim-manga
Perante a escola Dom Joaquim de Almeida,
Ao passo em que meu coração jaz em mim,
Coroado de flores e essências de saudades
Passadas a limpo num átimo de segundo,
Além das quatro-bocas da Várzea dos Caicos!

Nenhum comentário: