segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Estrelas


  Por Sil Villas-Boas



Falo, calo e estremeço no ato do Amor.
Rio, sofro, sonho e perdoo por Amor.
Trago no íntimo a raiz do amor.

Transbordo na paixão.
Quando transcrevo tênues linhas de versos soltos.
Versos onde revelo as emoções da alma.

Emoções que despontam em diálogos com as estrelas.  
E elas me respondem com seu cintilante brilhar.
Emoções que despertam meus anseios, saudades,  
As minhas horas perdidas sem você.

E tudo se acalma quando a emoção vem mansa, 
feito criança.

E me desperta para mostrar 
os pontos brilhantes dos teus olhos. 
A me enxergar por dentro.

8 comentários:

Cristian disse...

Boa noite, Sil!!!

O céu não está estrelado aqui em São Paulo. É que acabou de chover. Mas a noite está fresca e muito gostosa de sentir e respirar esse ar refrescante pós-chuva. Hoje estará ótimo pra dormir..

Lindo poema, querida. Muito sensível. Adorei!

Beijos, qrida.
Ótima noite!
Até mais.

Suzana Martins disse...

Seus versos transbordam paixão, sentimentos e brilho a cada letra escrita com amor...

Beijos minha linda que eu adoro!!^^

Guará Matos disse...

Chego manso e lhe enxergando com carinho.
Um beijo de muito brilho.

Bjs.

The Well disse...

Ora, direis, ouvir estrelas...

É tão bom ouvir estrelas e deixar q elas nos ouçam e enxerguem o âmago!

Xêro!

Cáh disse...

belissimo!


Um beijo

Tatiana Kielberman disse...

Amor e estrelas são uma dupla que encanta a minha alma e me faz viajar por espaços desconhecidos, ou nem tão desconhecidos assim...

Obrigada pela oportunidade por meio dos seus versos!

Beijos, amada!! Lindo talento!

RosaMaria disse...

Como é bom beber da fonte de suas poesias...

Sacia a minha sede com mestria!


Um super beijo!
Otima semana.

Adoro Tu!!!!

Fernanda disse...

Lindo, Sil...

Olha, tem selo literário pra vc no meu blog. Passa lá pra apanhar, viu? Bjsss