sexta-feira, 17 de junho de 2011

PUXANDO A CIRANDA INTERIOR - CONCEDE-ME ESTA DANÇA?

Autor: João Ludugero
 ‍
Desde que eu era era menino
Eu já sonhava grande
Com essas radiantes estripulias.
Eu já avisava lá em casa:
Ó, minha mãe, quando eu crescer
Quero ser mestre de ciranda!
Sonhava em comandar toda aquela animação,
De tirar os cantos, de tocar o ganzá
De botar ordem no folguedo
Ou apitar minha própria 'arruaça'.
Queria poder enfeitar o salão e o terreiro
Como se fosse festa de São João,
Eu a pedir a mão da faceira Lia, 
Diante de uma imensa fogueira na rua.
Mesmo que fosse só de brincadeira,
Mesmo que fosse de vidro o anel-cor-de-fogo 
Que um dia eu sonhara pra ela.
Eu queria uma grande festança, 
Sem data nem hora para acabar o furdunço.
E a todo vapor os instrumentos a tocar
- ganzá, bombo, caixa, cuíca, pandeiro
Sanfona, zabumba e tarol.
Queria improvisar cantigas
Ou mesmo canções em ritmo de ciranda.
Ah, como eu queria, e nunca deixei de bem-querer isso.
Hoje eu cresci. E ainda acordo sonhando:
‍Ainda quero dançar pra valer.
E‍, neste exato instante, fecho os olhos
E me atrevo a um passo de dança. 
Estou de mãos dadas com a moça Lia,
A cirandar como se nos acompanhassem as ondas do mar.
E nós a girar-girando a vida com singelos versos,
Ao unir versos vou puxando a roda do tempo,
Sacudindo esse mundo a girar, a girar.
Vou habilitando o corpo nesse ritmo vital,
Vou me permitir uma dança a mais,
Vou deixar a Poesia me levar, passo a passo,
Vou ganhar o mundo nos braços 
De quem souber embalançar   
Meu coração cirandeiro, 
Ou a quem mais couber o dom 
De conceder-se ao brilho dessa dança!
Quem se habilita a cortar a fita inaugural
Pra fazer triunfar essa festa interior,
Fazendo o mundo inteiro rodopiar
Desabando a tal felicidade 
Dentro das nossas cabeças?

5 comentários:

Sil Villas-Boas disse...

Um texto assim só nos incentiva a sonhar acordado. Adorável, cativante e muito inspirador. João, estás de parabéns.
Bjusss e bom fim de semana.
Sil

Marília Felix disse...

Porque dentro de cada um, existe uma criança que um dia existiu!

Adorei!

P.S.: Sil, eu posso postar um texto teu lá no meu blog?
O nome dele é: "Olhares"
Um que tem lá no #Retratos e aqui também. Amei tanto ele! :)

Beijos e ótimo findi

RosaMaria disse...

João sou uma criança que se recusa a crescer.

Ó

Não espalha rsrsrs

Adoro sei jeitinho de escrever, tão lúdico, me faz super bem.

Beijão
Boa semana.

paulo disse...

Unir a criança, a poesia e a dança só pode dar nisto, um texto excelente.
Parabéns, João

Tatiana Kielberman disse...

Sempre uma linda sensibilidade, João...

Viva a nosas criança!!

Beijos!