quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Desejos e Posses - Por Cláudia Costa


Ando escrava dos sentidos
Das lembranças
Dos gemidos.

Pensamentos constantes
Desejos errantes
Devastadores

Ando escrava da palavra
Do abraço
Do apego
Do teu cheiro
Da presença
Da vontade

Do delírio
Da entrega

Ando escrava
Escrachada,
Dada.
Tua.

Ando possessiva
Possuída
Ansiosa

Pelo toque
Pela boca
Pelo beijo
Pelo sexo.
Pelo eleito.

Ando assim, distraída
Devassada
Acompanhada pelo desejo
Daquele que como MEU
Elejo

3 comentários:

Tatiana Kielberman disse...

Amiga amada que tanto admiro!

Que bom que esses desejos e posses permanecem acesos dentro do seu coração, sinalizando que existe uma vida linda aí dentro, desabrochando cada vez mais...

Aliás, estranho seria você ser diferente disso... Diferente de intensidade, valor e paixão... Eu, sinceramente, não te reconheceria!

Muitas vezes, tamanha imensidão de sentimentos e emoções também pode, eventualmente, trazer dores, sofrimento e angústia... Mas o saldo é positivo, pois a bagagem final reside exclusivamente dentro de você - o seu maior tesouro...

Amo você entre seus "muitos" e "tantos"!!

Um beijo enorme!

Sil Villas-Boas disse...

Clau.
Haja intensidade pra caber neste seu coração. Saudades de você.
Depois dos perrengues e de um comecinho e fim de dengue, AFF, volto à Net. Feliz Dia das Crianças (nosso dia, rsrsr).
Bjussss
Sil

Cristian disse...

Esse amor escravizante...
Acostuma-nos a essa condição e, quando sem amo... sem dono, também sem nós mesmos.
Possuir ou ser posse são palavras gostosas...
Penosa necessidade nossa de cada dia.
A posse como parte de nós mesmos e nós mesmos como parte do outro.
Ah... como eu queria ser um inteiro.
Ah... como eu queria que fossemos dois inteiros.

Um belo texto, Claudia!
Sempre um melhor que o outro! Quero ver o próximo... ;]