sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Sem Retorno - Sil Villas-Boas


Será que podemos voltar pra nós através dos caminhos antigos 
que nos guiava m direção ao outro? 
Será que eles existem ainda? 
Acho que a gente se afastou deles aos poucos. 

Não percebermos nossa desatenção aos sinais que nos afastava da estrada a ser seguida. Preferimos a escolha confortável dos atalhos. 
Preferimos o percurso das mãos nos olhos. Boca. Ouvidos.
Nos perdendo numa trilha sem saída. 
Andando em círculos num cansativo trajeto. 
Prendendo os passos para voltar ao tempo do existir eu e você.
Este tempo já partiu
Partiu levando pra longe
Uma outra música.
Um outro lugar.

Um outro final.
Já não nos cabem novos inícios
Tarde demais para o melhor da noite.
Tarde demais para manhãs e tardes melhores.

7 comentários:

Sonhadora disse...

Minha querida

Como é verdadeiro este poema...por vezes apenas nos acompanha uma presença ausente.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Luna Sanchez disse...

Alguém há disse, Sil, que quase sempre é muito cedo pra ser tarde demais.

;)

Beijo grandão!

Olho no olho. disse...

Oi Sil.
Aprendi com a vida que as diferenças são como fileiras de tijolos de uma parede imaginária, se não a derrubamos elas se tornam grandes paredes que nos impedem de nos enxergarmos.
Também aprendi com a vida que o dialogo e a paciência são armas fundamentais para superarmos essas diferenças.
Belo e reflexivo texto!
Um abraço,
Francisco Diniz.
http://viajantenaspalavras.blogspot.com/

Fernanda disse...

Novos caminhos levam a destinos desconhecidos e neles há tanto a explorar...

Bom final de semana!

Cristian disse...

Em últimos capítulos, penso nos primeiros dos próximos livros... quero ainda ler muitos nessa vida... quero viver o drama, o suspense, a ação e os romances dos mais diversos estilos. Quero tudo. E se o desfecho deste foi triste, vou buscar uma comédia pra compensar a falta de risos.

Beijos com carinho, Sil, qrida!

RosaMaria disse...

Sil

Nunca é tarde para nada.
Somos livros recheados de páginas em branco.

Sempre temos outra chance, outros recomeços.

Basta acreditar e querer.

Te gosto muito.
Fica com Deus.
Beijos.

Tatiana Kielberman disse...

Sil, querida!

Concordo com a Rosinha: nunca é tarde demais...

A espera pode ser longa, a estrada um pouco comprida demais, mas se acreditarmos e isso nos fizer bem, sempre é possível ter volta!

Lindas, lindas letras...

Um beijo carinhoso!