sexta-feira, 1 de julho de 2011

Os desejos dela

Por: Rosamaria Roma


Ela não percebia.
Porque raio tinha de ser sempre ela a perceber.
Havia sempre uma razão.

Claro.
Todas as razões.
Menos ela.
Estranhamente
Só ela não era uma razão.

Nunca.
Só ela tinha de se adaptar.
Esperar.
Compreender.

E ela só via escuro.
Não deslindava as formas.
Não via os próprios passos.

Não havia sequer voz que a guiasse.
Pediam-lhe muito.
E ela?
Será que pedia muito?

Ela só queria algumas palavras.
Dizê-las apenas.
A voz nos teus ouvidos.

Nada de caracteres.
Nem fotos ou textos arranjados.

Queria a sinceridade do encontro de olhares.
A espontaneidade da presença física.

Queria ser compreendida
Queria ser amada
Queria...

6 comentários:

Sil Villas-Boas disse...

Oi Rosita

Sabes como poucas decifrar os desejos de toda alma feminina. Sempre me leio em tuas linhas poéticas. E este poema está muito minha essência de ser. Amei.
Bjusss,
Sil

RosaMaria disse...

Sil!

Obrigada pelo carinho ;)

Beijos!

Marília Felix disse...

Mana! *-*

Teus desejos. Tuas palavras. Teus deslizes...

São sempre de coração! Alias tu foi feita de coração!

Bjos Sil!
Bjos Mana!

Adoro Ocês!

Tatiana Kielberman disse...

Muito lindo sempre!!

Beijos, querida!

Cláudia Costa disse...

Ela queria...
E porque queria, as coisas acabavam por acontecer.

É essa a história...A Dona da história, essa, Dona Rosa, é sempre você!

Cláudia Costa disse...

Ela queria...
E porque queria, as coisas acabavam por acontecer.

É essa a história...A Dona da história, essa, Dona Rosa, é sempre você!