quinta-feira, 30 de agosto de 2012

SOBRE A VÁRZEA, por João Maria Ludugero


De repente me chega uma vontade
danada de escrever
sobre a grama verde 
e molhada dos Ariscos.
sobre a inspiração das cantigas
sobre a minha essência varzeana
sobre a minha infância por lá
sobre os sítios dos Seixos, 
sobre o rio Joca, o Vapor, a Vargem
sobre a paciência da inesquecível 
Madrinha Joaninha Mulato 
[e a ausência dela]
sobre a minha gente tão bonita 
que ainda sonha, 
acorda e acredita 
que melhores ventos virão.
E depois, poetizo minha ideia, 
coloco tudo em palavras de sonhos,
passo a sentir a alma 
mais leve, livre e solta
assim feito um canário-de-chão.
Enquanto houver inquietação 
existirá poesia.

Nenhum comentário: