segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

VOO PELO INTERIOR, por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 

VOO PELO INTERIOR,
por João Maria Ludugero

Solto-me de ânsias, no limiar do desapego
Liberto-te asa enroscada no meu corpo
Em seiva bruta despetalo-te tão febril
Num abraço profundo em teu adeus...

Descaibo sem asas de anjo-de-guarda
No adejar da tua face num beijo roubado
E estremeces qual flor lançada ao vento
No estio rubro de madrugadas quentes

Reato gemidos num mapear de carícias 
No entrelaçado encontro de afoitos bicos 
Nas penas esbugalhadas em corpos distantes
E num engenho de versos alados
Reescrevo as páginas do interior
Na suave melodia desta cantiga...

Nenhum comentário: