terça-feira, 29 de julho de 2014

VÁRZEA-RN: MEU TERNO RECORDAR! por João Maria Ludugero

 
 

 
 
 

VÁRZEA-RN: MEU TERNO RECORDAR!
por João Maria Ludugero

Dia-após-dia, o cheiro dando cor às flores da lida.
Daí, levanto os olhos pelo interior que me chama. 
Eram assim tuas tranças amarradas em tiaras de alecrim,
tuas palavras eram assim, finas e afoitas 
a tocar a alma da gente em alvoreceres 
na mais pura essência de jasmim-manga.
E o verde-musgo dos lajedos da Várzea das Acácias, 
por onde a tarde ia aderindo aos bons ares
do açude do Calango, lusco-ofuscado sem eiras
se alaranjava em flores de mulungu sem compostura,
a correr pelo chão-de-dentro com o fito de se inteirar,
quando entretidos na mesma exalação de bálsamo de açucenas
ou seriam de talos molhados, de canela ou de manjerona, 
almas de flores além do sepulcro e da ressurreição. 
E os bem-te-vizinhos em cantiga 
dançavam assim veludosamente
sob o sítio reverdecido do Umbu.
Restauro-me em memória, por dentro das flores! 
Deixa virem teus olhos, como grilos e louva-deuses, 
tua boca carmim de bem-me-quer assim orvalhado, 
e aquelas ternas mãos dos inconsoláveis mistérios, 
com suas estrelas além da margem do rio da Cruz, 
e muitas coisas tão estranhamente escritas 
nas tuas nervuras de paixão nítida em folhas de maracujá 



- e varzeamáveis, sim, enfim, varzeamáveis!

Nenhum comentário: