domingo, 17 de agosto de 2014

O RICO MENINO DE LUA Autor: João Maria Ludugero

 
 
  
 
 
O RICO MENINO DE LUA
Autor: João Maria Ludugero

Lá na minha Várzea

De menino humilde
Um dia morei na rua do Arame.
Em casa tinha luz de candeeiro
E vaga-lumes no quintal
Onde as estrelas vinham
Me achar no escuro
Nunca tive medo de grilo,
Brincava com eles
No balanço das vicissitudes da vida
Debaixo da mangueira
Observando o céu.
Ele sempre me criava, 
Maquinava ideias, me conduzia além,
Me levava pelo espaço a fora
Bem longe no tempo, vê se pode!

Me trazia lembranças do futuro

Onde eu me via homem feito
E não entendia por que 
Gente grande tem medo de se perder
Ao andar no mundo da lua.
Eu nas minhas travessuras,
Nas minhas estripulias de menino
 Sempre gostei de ir à lua.
Quer saber de uma coisa:
Que me perdoe Neil Armstrong,
Acho até que fui eu 
Quem lá pisou primeiro.

Fui até a lua, sem foguete, sem armadura, 

Nem precisou da Apollo 11 
Para brincar de São Jorge 
No cavalete venci o dragão, me atrevi, 
Feito Davi ao gigante Golias.
E ruminando, modestamente,
Eu tinha sonhos alucinados 
Desses de menino inquieto em suas peripécias 
Que inventa a fantasia que quer
Ao brincar de formar bichos nas nuvens
Carneirinhos, cabras, bois e até elefantes. 

Eu me sentia tão rico, 

Sendo dono daquilo tudo.
Um dia até pensei que a lua fosse
Uma gigante tapioca branquinha
Firmada no céu. 
Que tentação! 
E eu, a salivar, com água na boca,
Doido para degustá-la.

Isso era de quando eu era criança.

Aonde foi parar minha meta
De cometer loucuras, não sei,
Ou será que já cresci ou ainda continuo 
Menino medonho levado da breca?

Nenhum comentário: