domingo, 7 de setembro de 2014

ADEUS, DOCE BELINHA! por João Maria Ludugero

 
 
 
 
 
 
 
 
ADEUS, DOCE BELINHA!
por João Maria Ludugero

No assovio do vento,
A cantiga do bem-te-vizinho.
Vai-e-vem, um lenço borboleteia
Cheio de lembranças partidas
Aos solavancos do sol amar-elo
A partir do coração em pedaços.

Uma via para nunca mais esquecer o adeus de dona Belinha.
Não entardecido, ainda rutila um zás guardado de sentinela,
Alerta por dentro do peito ávido, feito promessa ao céu aberta
A esperar efeito a correr dentro e alto, até ganhar a eternidade



Da imensidão do azul do céu de São Pedro Apóstolo!

Nenhum comentário: